O Hatha Yoga

O Hatha Yoga é uma prática que tem o seu fundamento no Tantra. A base de todo o ensinamento do Tantra é a visão de unidade da Vida. A multiplicidade se dá a partir da unidade fundamental. A expressão da unidade é a diversidade e a aparente dualidade. Shiva é a consciência, Shakti é o poder da manifestação. Ambos são o mesmo.

O objetivo principal do Tantra é reconhecer a unidade para além da dualidade, reconhecer-se como essa unidade. A realidade fundamental é a consciência. Essa consciência sou Eu.

Mas o Tantra também é um saber que lida com a multiplicidade, assim como o Ayurveda. Ou seja, no Tantra vemos mantras e meditações específicas para desenvolver tanto os siddhis, os poderes, quanto capacidades de cura, que também não deixa de ser um siddhi. São formas de, através do poder da mente e da intenção, interferir na realidade criando novas possibilidades. São meios de “manipular” as forças da manifestação que podem ser para benefício próprio, ou, e sobretudo, para o bem comum. É uma forma de Alquimia. Existe uma relação intrínseca entre o Tantra e a Alquimia indiana.

O Hatha Yoga é, portanto, tanto um meio de reconhecimento do pleno, completo e eterno que eu Sou, tendo o corpo como um veículo, como um arcabouço incrível de técnicas de manutenção da energia e da vitalidade do corpo e da mente. O ásana é uma dessas técnicas.

ásana deve ser firme e confortável

Para além da forma, o ásana é uma atitude interna. Patanjali dirá no sutra II.46: O ásana deve ser firme e confortável. A postura deve ser firme e confortável. É tanto um meio de fortalecer o corpo e dar a ele flexibilidade para sentar para a meditação, quanto é um veículo de descoberta dos caminhos da própria mente. A postura em si como firme e confortável, estar no ásana dessa maneira, é desenvolver uma atitude interna diante da Vida. É descobrir, através da observação do corpo e da mente, um espaço livre de oscilações.

ásana pode ser tanto a postura da meditação quanto as diversas posturas do Hatha Yoga. Não importa a quantidade, a variedade de posturas, a essência do ásana é, como lembra Patanjali, estar firme e confortável.

Equilíbrio entre tapas (disciplina) e ahimsa (não-violência)

A prática de ásanas é um constante equilíbrio entre tapas (disciplina) esforço, e ahimsa, (não-violência). Aprendemos a partir dos ásanas que precisamos de dedicação para a realização de qualquer empreendimento. Nesse caminho, esforço e tempo são fundamentais. É necessário um esforço em direção ao objetivo que queremos realizar e um tempo de maturação dos resultados. Isso é disciplina. Nenhum resultado no mundo relativo está fora do tempo, mudar um hábito é questão de tempo, mudar algo no corpo é uma questão de esforço e de tempo. Isso nos leva à questão de que há dois objetivos fundamentais no Hatha Yoga. Um principal e outro secundário.

O objetivo secundário é a aquisição de ganhos relativos. Seja de manutenção da saúde, de ganho de vitalidade, de obtenção de cura ou mesmo de ganhos materiais. Nesse objetivo tapas é fundamental, ou seja, calor, ascese, para que se fortaleça a intenção. Com a intenção firme, podemos realizar coisas inimagináveis. Podemos realizar praticamente todos os nossos desejos de conquista, estando eles obviamente dentro das leis do universo. Seja a aquisição de dinheiro, de fama, de viagens, tudo isso é possível com disciplina e com uma intenção firme.

Nenhuma dessas realizações, porém, nos garante a felicidade. Se a insatisfação é uma constante, não adianta realizarmos todos os nossos desejos, permaneceremos sentindo a falta de algo. Isso nos coloca então frente a frente com o objetivo principal do Hatha Yoga: reconhecer a plenitude que somos.

Para isso não adianta apenas a disciplina, é necessário conhecimento. Um conhecimento que nos abre para uma entrega, para uma aceitação plena da Vida. Nos rendemos a ela em vez de tentar nos agarrar por todos os lados, tentar dirigi-la e controlá-la de todas as maneiras. Eu me reconheço pleno exatamente onde e como eu estou, independente de alguma demanda pessoal em relação ao corpo ou à mente ser diferente. Sempre haverão limitações no corpo e na mente.

Essas duas atitudes se refletem no ásana. Excesso de disciplina sem conhecimento, pode levar à deturpação do controle. É nesse momento que ahimsa é necessário como ponto de equilíbrio. Toda disciplina deve respeitar as limitações do corpo e da mente. E a disciplina mais importante tem como alvo reconhecer aquilo que está além do corpo e da mente, o que é livre de limitação, mas sem feri-los, sem violentá-los, aceitando-os como eles são, limitados ao tempo e ao espaço. Apenas o conhecimento pleno de qual é o objetivo do Yoga pode trazer esse equilíbrio entre tapas e ahimsa para a nossa prática de ásana. Caso contrário continuaremos a repetir o engano que cometemos na vida cotidiana, de querer ter resultados absolutos daquilo que pode nos fornecer apenas ganhos relativos.

https://www.vidadeyoga.com.br/o-poder-dos-asanas/

 

Quer saber mais? Venha fazer uma aula de Yoga com a gente!

CLIQUE AQUI E CONFIRA NOSSA GRADE DE AULAS:

http://planoscafeyoga.com.br/

Entre em contato com a gente pelo e-mail: contato@cafeyoga.com.br