Samádi (em sânscrito: समाधि, transl. samādhi; samyag, “correto” + ādhi, “contemplação”) pode ser traduzido por “meditação completa”. No ioga é a última etapa do sistema, quando se atingem a suspensão e compreensão da existência e a comunhão com o universo.

No budismo é usado como sinônimo de “concentração” ou “quietude da mente”.

Há três tipos de samádi:

Khaṇika Samādhi – Concentração temporária e frágil.
Upacāra Samādhi – Semelhante à anterior, mas com maior duração.
Appaṇā Samādhi – Samadhi refinado, neste caso os Jhanas.

O Yoga traz para nós 8 passos que nos levam a este estado, que nesta cultura, chama-se Samadhi: Iluminação!

Basicamente, o Yoga entende que precisamos “domar” nossa mente a fim de que ela sirva para nosso bem-estar pessoal.

A não identificação com o conteúdo da mente é Samadhi para o mestre Patanjali. Em sânscrito significa contemplação, ou meditação completa.

Seria a colheita do praticante/ buscador que fez da sua rotina a realização dos passos do Yoga, descritos pelo mestre!

A Iluminação Espiritual é experienciada naturalmente pelo iogue que conseguiu incluir na vida diária os ensinamentos de conduta moral, conduta interior, posturas psicofísicas (ásanas), técnicas respiratórias (pranayamas), abstração dos sentidos (prathyahara), concentração (dharana) e foco contínuo num objeto (dhyana).

No estado de Samadhi, o egoísmo é suspenso, pois deixa-se de se identificar com o corpo, emoções e pensamentos. É uma total comunhão.

Embora, pareça que o Samadhi seja o pote de ouro ao final do arco-íris, é necessário destacar que quanto mais nos apegamos na ideia de o conhecermos, nos afastamos dele. Pois ele surge a partir do silêncio mental, é a consciência absorta em si.

Dizem que quem fala a respeito de Samadhi não o alcançou e quem o conhece, não fala a respeito.

A iluminação espiritual em si é a quando a pessoa consegue continuamente entrar em Samadhi por vários anos.

 

Poema de Paramahansa Yogananda, mestre que trouxe o Yoga ao ocidente e que alcançou Samadhi.

O trecho é do livro “Autobiografia de um Iogue“.

Poema Samadhi

“Desfizeram-se os véus de luz e sombra,
Evaporou-se toda bruma de tristeza,
Singrou para longe todo amanhecer de alegria transitória,
Desvaneceu-se a turva miragem dos sentidos.
Amor, ódio, saúde, doença, vida, morte:
Extinguiram-se estas sombras falsas na tela da dualidade.
A tempestade de Maya serenou
Pela varinha mágica da intuição profunda.
Presente, passado, futuro já não existem para mim,
Somente o Eu sempre-presente, fluindo em tudo, Eu, em toda parte.
Planetas, estrelas, poeira de constelações, terra,
Erupções vulcânicas de cataclismos do juízo final,
A fornalha modeladora da criação,
Geleiras de silenciosos raios X, dilúvios de elétrons ardentes,
Pensamentos de todos os homens, pretéritos, presentes, futuros,
Toda folhinha de grama, eu mesmo, a humanidade,
Cada partícula da poeira universal,
Raiva, ambição, bem, mal, salvação, luxúria,
Tudo assimilei, tudo transmutei
No vasto oceano de sangue de meu próprio Ser indiviso.
Júbilo em brasa, freqüentemente abanado pela meditação,
Cegando meus olhos marejados,
Explodiu em labaredas imortais de bem-aventurança,
Consumiu minhas lágrimas, meus limites, meu todo.
Tu és Eu, Eu sou Tu,
O Conhecer, o Conhecedor, o Conhecido, unificados!
Palpitação tranquila, ininterrupta, paz sempre-nova, eternamente viva.
Deleite transcendente a todas as expectativas da imaginação, beatitude do Samadhi!
Nem estado inconsciente,
Nem clorofórmio mental sem regresso voluntário,
Samadhi amplia meu reino consciente
Para além dos limites de minha moldura mortal
Até a mais longínqua fronteira da eternidade,
Onde Eu, o Mar Cósmico,
Observo o pequeno ego flutuando em Mim.
Ouvem-se, dos átomos, murmúrios movediços;
A terra escura, montanhas, vales… oh, líquidos em fusão!
Mares fluindo convertem-se em vapores de nebulosas!
Om sopra sobre os vapores, abrindo magnificamente seus véus,
Oceanos desdobram-se revelados, elétrons cintilantes,
Até que, ao último som do tambor cósmico,
Transfundem-se as luzes mais densas em raios eternos
De bem-aventurança que tudo permeia.
Da alegria eu vim, para a alegria eu vivo, na sagrada alegria me dissolvo.
Oceano da mente, bebo todas as ondas da criação.
Os quatro véus, sólido, líquido, vapor e luz,
Bem levantados.
Eu, em tudo, penetro no Grande Eu.
Extintas para sempre as vacilantes, tremeluzentes sombras das lembranças mortais:
Imaculado é meu céu mental – abaixo, à frente e bem acima;
Eternidade e Eu, um só raio unido.
Pequenina bolha de riso, eu
Me converti no próprio Mar da Alegria.”

Paramahansa Yogananda.

Fontes: wikipedia e guiadaalma

 

Se aprofunde nesse universo, envie um e-mail para mkt@cafeyoga.com.br